Make your own free website on Tripod.com
IX Copa do Mundo da FIFA - 1970
Sepp Maier
Home

1148656276_extras_albumes_0.jpg

 

Josef Dieter Maier (Haar, 28 de fevereiro de 1944) foi o maior goleiro do futebol alemão, apelidado de o gato, tinha pernas curvadas, reflexos super rápidos.

O "Anjo irônico" tem como seu maior feito as várias defesas que fez na final de 1974, onde a Alemanha Ocidental, com um time inferior venceu a fantástica Holanda.

Autor de defesas fantásticas, o divertido Maier foi um dos maiores goleiros da história da Alemanha. No Maracanã contra a Seleção Brasileira, sempre a mesma categoria também brilhou. Na Copa de 78. Cercado por repórteres, o atacante Fischer ouve a pergunta: "Como um jogador tão ruim como você consegue jogar numa seleção campeã do mundo?" Furioso, o alemão abre caminho em busca do autor da pergunta. Era o goleiro Sepp Maier em mais uma de suas brincadeiras. Ele se destacava entre os sisudos alemães pelo eterno bom humor, mas não foi o humorista que entrou para a história, e sim o goleiro. Aos 22 anos, ele assumiu a camiseta número um da Seleção e só a deixou ao encerrar a carreira, quatro Copas do Mundo depois. Com 1,83 m, pernas arqueadas, cabelos vermelhos e encaracolados, formava um tipo marcante. Era o "Anjo" que a torcida e a imprensa adoravam.

Maier dizia que suas maiores virtudes eram o controle absoluto dos nervos, a fé incondicional em si mesmo e o treinamento, sempre centrando esforços nos trabalhos de cintura e de recuperação. Mais importante do que as qualidades acima, foi a insanidade típica dos goleiros que fez de Maier um dos maiores de todos os tempos. Corajoso, oferecia o rosto às chuteiras adversárias em saídas arrojadas. Sua atuação contra a Holanda de Cruyff na final da Copa de 74 entrou para a história do futebol.

Seu bom humor também se revelava uma arma. "Quando ele erguia o tom de voz e dizia algo duro, todos corríamos para resolver. Era assustadora a transformação do rosto de anjo em demônio", garante o zagueiro do Bayern e da Seleção Schwarzenbeck. Ele usava o humor até na crise: o poderoso Bayern fazia uma terrível campanha em 1975 e andava na zona de rebaixamento. Após uma reunião para tratar da crise, os jogadores fugiram da imprensa. Apenas Maier encarou os microfones e falou solenemente. "Enviamos um ofício para a Federação Alemã pedindo que nossos adversários joguem com um a menos. Quem sabe assim pare de sobrar um atacante livre na minha frente!"

A alegria de Maier sofreu um baque em julho de 1979. Num acidente de automóvel teve fraturas nas costelas, na clavícula e no braço, lesões no fígado, no pulmão e no diafragma. Ficou seis meses treinando duro para voltar, mas já não era o mesmo. O sorriso se tornara difícil, as brincadeiras acabaram.

Sepp Maier sempre jogou no Bayern Munique, de 1965 até 1980, e atuou 95 vezes pela seleção de seu país.

Sepp Maier era amigo de infância de Franz Beckenbauer. Eles jogavam tênis juntos. Beckenbauer certo dia sugeriu que fossem jogar futebol com os meninos, e Maier a princípio recusou, pois não tinha a mesma intimidade com a bola que o amigo. Beckenbauer convenceu-o então para que ao menos jogasse no gol. Sorte do futebol.

volta à página inicial